Imóveis compartilhados de alto padrão são a tendência de investimento nos próximos anos

No Recife, projeto CO-HAUT elevou a novo patamar as moradias de alto padrão – nicho em valorização no mercado de investimento.

 

 

Uma pesquisa da consultora Price waterhouse Coopers (PwC) apontou que, até 2025, a economia compartilhada vai movimentar mais de 335 milhões de dólares em todo o mundo. No Brasil, as projeções dos especialistas indicam que esse nicho de mercado deve contribuir com mais de 30% do Produto Interno Bruto (PIB) no setor de serviços.

 

Os números ilustram o comportamento da geração Y, os chamados millennials, que prezam por usufruir e compartilhar bens em vez de apenas possuí-los, destacando, assim, o grande potencial de valorização desse setor. No mercado imobiliário, essa tendência se materializou por meio dos colivings: moradias compartilhadas com quartos e banheiros individuais e espaços comuns para os moradores.

 

O mercado de alto padrão transformou esse negócio em uma tendência de mercado ainda mais atrativa para quem busca opções seguras e lucrativas de investimento. É o exemplo da HAUT, responsável pela criação de um imóvel compartilhado de luxo no Poço da Panela, no Recife, projetado para oferecer conforto e privacidade aos moradores com áreas compartilhadas modernas e cheias de design.

 

Espaços de lazer. como SPA, fazem parte da experiência de imóveis compartilhados.

O empreendimento contará com coworking, lavanderia coletiva, salas de estar, café/pocket livraria, pub, barbearia e esmalteria, mini box de crossfit, horta orgânica, cozinhas gourmet, sala de TV, carros elétricos e bikes compartilhadas entre os habitantes. Os chamados módulos individuais, com quarto, banheiro e cozinha privativos, terão espaços que variam entre 28 e 48 metros quadrados.

Descubra a experiência de viver no CO-HAUT.

 

5 benefícios de morar em um imóvel compartilhado de alto padrão

 

A vivência de habitar um imóvel compacto promete redefinir os conceitos de moradia e sociedade no futuro. Com o compartilhamento não apenas de espaços, mas de experiências e conexões, esse formato apresenta uma série de vantagens em relação aos padrões tradicionais do que se considera uma “casa”.

 

Não é a toa que projetos semelhantes se multiplicam pelo mundo e estão chegando ao Brasil repaginados e adaptados às necessidades de adultos flexíveis, mais dinâmicos e financeiramente independentes, do que quando o conceito surgiu, em 1972, na Dinamarca.

 

Veja os benefícios:

 

1. Conexões e contatos profissionais
No Brasil e no mundo, os principais projetos vêm equipados com coworkings, de onde é possível trabalhar sem sair de casa. Mais do que mesas espaçosas, internet de qualidade e cadeiras confortáveis, esses espaços proporcionam importantes conexões profissionais já que colocam os moradores em contato em horário comercial.

 

2. Moradia inteligente
Uma das principais vantagens dos imóveis compactos é socializar recursos que não precisam ser utilizados o tempo inteiro. É o caso das lavanderias coletivas, ferramentas que ficam disponíveis para uso dos moradores quando necessário e até carros elétricos da BMW que ficam disponíveis para uso dos moradores, sem o custo fixo ou preocupação de adquirir uma própria.

 

3. Economia de tempo
Ir ao barbeiro ou a academia torna-se uma atividade muito mais simples quando esses serviços estão disponíveis a poucos passos de distância. A comodidade de encontrar esses espaços ao alcance de um elevador representa uma economia significativa de tempo, esforço e desgaste em deslocamento pela cidade.

 

4. Flexibilidade
O formato do CO-HAUT foi criado para pessoas mais livres e flexíveis. Isso significa que grandes burocracias envolvendo compra ou aluguel de um espaço ficaram no passado, já que há uma flexibilização no processo de mudança.

 

5. Privacidade garantida
Apesar do conceito de compartilhamento e socialização, uma vantagem é ter a privacidade garantida. Com os apartamentos individuais, o morador pode frequentar os espaços comuns apenas quando desejar. O tamanho de cada quarto varia a depender do projeto.

Ver mais publicações