Haut cresce com imóveis inspirados na “gentileza urbana”

Quando o setor da construção civil entrou em crise no País, juntamente com a economia brasileira, a Haut foi criada para atender à demanda de um segmento que não foi abalado. “A empresa nasceu por uma oportunidade. Havia um mercado no final de 2016, que não diminuiu com a crise, mas explodiu, que é o de luxo. Criamos uma marca posicionada totalmente nesse nicho”, afirma o CEO e fundador Thiago Monteiro. Num período curto de três anos foram feitos cinco lançamentos, sendo dois desses com entregas que serão realizadas em 2020. Já está em operação o equipamento hoteleiro Pedras do Patacho, na Praia do Patacho, em Alagoas. Esse empreendimento, inclusive, foi premiado no International Property Awards, um Oscar do setor imobiliário, como o melhor hotel boutique das Américas.

A construtora tem em andamento três empreendimentos na Zona Norte do Recife e dois na Zona Sul. Thiago afirma que a característica dos projetos da empresa é ter na arquitetura e no design um diferencial do negócio. “Apostamos numa arquitetura mais autoral. Produtos menores, exclusivos, que sejam extensão da personalidade dos seus moradores. É um mercado pequeno, mas que praticamente ninguém estava atendendo”, afirma o CEO.

Outra singularidade dos projetos assinados pela empresa é o conceito da “gentileza urbana”, que qualificam a vizinhança dos empreendimentos. “Toda decisão passa por isso: que nível de gentileza queremos entregar para a cidade? Nunca olhamos do lote para dentro, mas sempre fazemos o exercício de olhar para fora, entendendo que nível de requalificação podemos promover naquela inserção”. A ideia é investir no entorno dos prédios e na rua com um conceito de parque, estimulando o caminhar das pessoas na cidade.

Até o final de 2019, a empresa lançou no mercado R$ 119 milhões de Valor Geral de Vendas, tendo já 84% comercializado. A expectativa para o próximo ano é lançar em torno de R$ 100 milhões. De 2017 até o início deste ano, a construtora já investiu mais de R$ 72 milhões em obras nos seus projetos. Para atestar a credibilidade da jovem empresa, que tem crescido exponencialmente no atual período de economia morna, a Haut contratou a Deloitte para fazer a auditoria fiscal, financeira, tributária e contábil.

Em 2020, após as primeiras entregas, a empresa prevê apresentar mais três ou quatro lançamentos, sendo um empreendimento na capital paulista. “É um ano em que estamos entrando no mercado de São Paulo, com o Co-Haut, um produto de apartamentos mais compactos, entendendo que essa geração dos millennials precisa de mobilidade e compartilhamento. Não por uma questão de renda, mas de propósito de vida”, explica o CEO.

Thiago afirma que esse empreendimento fará parte de uma rede. A proposta é que em alguns anos até 20 Co-Hauts sejam lançados na Zona Norte e Sul do Recife e em outras capitais do País, permitindo aos clientes mudarem de casa quando for preciso, sem burocracia e sem a necessidade de comprar um outro imóvel. O primeiro Co-Haut, já em construção, fica no Poço da Panela. Além de São Paulo, a Haut já está de olho nos mercados de Brasília e Florianópolis.

Já no primeiro trimestre deste ano a construtora também deve apresentar ao mercado um novo equipamento hoteleiro na Zona Sul. Será um hotel boutique que terá investimento de R$ 40 milhões, localizado no segundo Jardim de Boa Viagem. “Queremos inverter a lógica da hotelaria. Esse equipamento também irá hospedar, mas ele funciona como um grande hub de entretenimento, arte, design, lazer, gastronomia e de experiências mais inusitadas que um hotel pode proporcionar”, antecipa. O empreendimento terá ainda quatro restaurantes, um café, um coworking, uma galeria de arte, uma charutaria, uma adega de nicho, um spa e uma champanheria.

Para rodar todos esses empreendimentos, a Haut tem no seu escritório 52 pessoas trabalhando. Somando as obras, o quadro da empresa chega perto de 150 profissionais. “Temos um modelo de construção bastante industrializado, terceirizamos muitos serviços da indústria, o que nos demanda menos pessoas nas obras”, explica o empresário Thiago Monteiro.
Da equipe, um percentual significativo fica no Haut Lab, um núcleo que conta com quase 20 arquitetos, 8 engenheiros, além de designers e publicitários. Os projetos partem desse setor. É a criatividade no coração do negócio.

Link original

Ver mais noticias